quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Uma indiferença demasiado hostil!

Diz o sequioso de forma cirúrgica, que a liga tem de investigar a forma como o Porto recebeu o zbording!!! Ele que nem lá esteve, mas que lê a imprensa do grupo cofina (apesar de receber da concorrência), tendo tido inclusive 2 filhos a apoiar o zbording no estádio sito na aldeia do Dragão! (Será que iam vestidos de negro?) Depois de entre um copo e outro e outro, ter escutado os relatos dos seus filhos, bebeu mais um copo e ainda outro, e leu então as córnicas dos pasquins cofinenses, onde pôde constatar após beber um copo, que realmente a puta da garrafa estava quase vazia! E se uma mentira dita muitas vezes pode convencer o mais prevenido dos homens, que fará a um alcoólatra cirurgicamente alterado? Estamos a falar de alguém com um contributo enorme para a nossa sociedade, alguém a quem todos nós devemos muito! Muito mesmo... Podem ver aqui


Depois de reabastecer-se no bar lá de casa, deu então início à sua semanal e cirúrgica córnica no pasquim que embora também participe nas reuniões de direcção do 5lb, ainda não é da cofina!
O inicio de tal córnica poderia ter sido lamentando o terror que um grupo de adeptos do seu clube espalhou nas imediações do estádio da aldeia do Dragão! Seria normal condenar publicamente um grupo de ideologia de extrema direita, com fortes propensões para a violência. Qualquer ser idóneo e sóbrio o teria feito! 

Já na semana anterior ao jogo, num programa televisivo em que aufere mais uns cirúrgicos cobres, o cornista (não o cirurgião) justificava todas as afrontas, provocações e falta de educação do seu presidente, utilizando sempre o mesmo argumento. Confrontado com as declarações incendiárias do tipo jovem que já faliu várias empresas, respondia sempre da mesma forma:
- É preciso ter um bocadinho de qi... O homem não quis dizer o que disse, caramba! As pessoas tem de ser minimamente inteligentes ou então mais vale não comentarem... tem de saber interpretar...
Ou seja, todos somos burros, incultos sem qi! Isso só o cornista bêbado, o comentador ébrio e o cirurgião alcoólatra tem!!! E os outros todos do zbording! Os aldeões são todos uns burros!

Não mencionando sequer os casuais acontecimentos dos porcos nacionalistas vestidos de preto, eu vou ajudar a liga nesta investigação, dizendo como foram recebidos os adeptos e dirigentes do zbording. Quando os lagartinhos entraram para aquecer, surgiu com eles o grande, o enorme, o corajoso, o guerreiro do bagaço, dando corpo às balas que os aldeões iriam certamente disparar!!! Resultado: nada, népia, nicles... Estava um monte de merda no relvado, mas nem o seu cheiro era suficientemente forte para incomodar, apesar do seu volume! Foi assim que foi recebido o dirigente máximo da agremiação citadina, tecnicamente falida!

Quanto aos adeptos, não me apercebi de qualquer problema dentro do estádio, podendo apenas testemunhar com convicção que no sector onde tenho o meu lugar anual estavam adeptos lagartos perfeitamente identificados, que puxaram pela sua equipa, festejaram efusivamente o golo e não tiveram qualquer problema! Os habitantes da aldeia souberam receber as gentes da cidade!!

Será que querem que a liga investigue a indiferença com que foram tratados? Acharam essa indiferença demasiado hostil? Foi sem intenção! Se foi isso a gente pede desculpa! É a timidez típica das aldeias quando perante tão ilustres visitantes!

Mas o que deve doer mais um pouco é poder constatar após o jogo, que os aldeões mesmo sem jogarem nada de especial, foram muito superiores aos mais que prováveis futuros campeões, apesar destes terem feito um jogo enorme! A constatação da realidade é das coisas mais cruéis que pode existir para algumas pessoas, por isso eu compreendo que a melhor solução seja a alienação, a fuga para a frente... Para a frente de um bar... Além de ajudar a esquecer, o álcool alivia a dor de corno, por maior que seja o cornista, permitindo assim que continue a viver na ilusão das suas córnicas!

1 comentário:

Dragão Anónimo disse...

http://portistasanonimos.blogspot.pt/2013/10/sentido-voces-nao-fazem.html

A viagem à aldeia...